ENSAIO: 13.8/EXP

PROJETO DE PESQUISA 

Protocolo:   PpD-19-AX-H-001                                                                    ENSAIO: 13.7/EXP

EMPRESA SOLICITANTE: ADAMA

EMPRESA EXECUTORA: AgroAlerta Consultoria Ltda.

 TÍTULO: Eficiência do portifólio Adama em aplicações foliares em soqueira de cana-de-açúcar.

LOCAL DA PESQUISA:  

Coordenadas: coordenadas exatas na planilha de implantação

OBJETIVO: Avaliar a do portifólio de fungicidas em desenvolvimento no controle de doenças foliares em aplicação em cana-soca.

Tratamentos

Tratamentos Dosagem (L p.c./ha)
  1. Testemunha
  1. Azimut
0,75
  1. Azimut + Cobre ADAMA
0,75 + 2,5
  1. ADA FF 0091/16
3,0
  1.  Cronnos
  2. Affront
  3. ADA FF 0090/16(Armero)
  4. Opera
3,0

3,0

3,0

1,0

 Número de tratamentos: 8

Número de aplicações: 2 (Realizar a primeira aplicação entre dezembro e janeiro com canavial entre 60 a 90 dias após o corte)

Intervalo entre aplicações: 30 dias

Alvos: Coletotrichum, ferrugens, sanidade e vigor

Delineamento: Blocos casualizados

Repetições: 4

Parcelas: 60 m2 (4 linhas de 10 metros de comprimento)

Volume de aplicação: 100 L/ha

Equipamento de aplicação: Pulverizador costal pressurizado com CO2

Avaliações:

Serão realizadas avaliações de fitotoxicidade e severidade 15 e 30 dias após a primeira aplicação e, aos 15, 30 e 45 dias após a última aplicação

-Serão avaliadas 10 folhas por parcela (Terço médio da folha +3), totalizando 40 folhas por tratamentos em que serão avaliadas:

  • Ferrugem;
  • Mancha-anelar;
  • Mancha-parda;
  • Nota geral de doença;
  • Senescência;
  • Sanidade e vigor

Para ferrugens, será adotada escala diagramática de severidade da doença (Amorim et al., 1997), atribuindo-se notas de 1 a 9, de acordo com a porcentagem de área foliar afetada na folha +3, onde:

  • Nota 1 = Folha sem lesões
  • Nota 2 = até 0,5% de área lesionada
  • Nota 3 = até 1% de área lesionada
  • Nota 4 = até 5% de área lesionada
  • Nota 5 = até 10% de área lesionada
  • Nota 6 = até 25% de área lesionada
  • Nota 7 = até 35% de área lesionada
  • Nota 8 = até 50% de área lesionada
  • Nota 9 = Mais de 50% de área lesionada

Figura 1. Escala de notas para avaliação de Ferrugem na cana-de-açúcar.

Para mancha-anelar e mancha-parda serão atribuídas notas de severidade de acordo com escala diagramática (mancha-anelar: Figura 2) e expressa em porcentagem de área lesionada (para ambas doenças), onde:

Nota 0: 0%

Nota 1: 0,1 a 3,0% 

Nota 2: 3,1 a 6,0 %

Nota 3: 6,1 a 12%

Nota 4: 12,1 a 25%

Nota 5: 25,1 a 50%

Nota 6: >50%

Figura 2. Escala de notas para avaliação de mancha-anelar na cana-de-açúcar.

A avaliação de produtividade será realizada contando-se o número de colmos em 10 metros, nas duas linhas centrais da parcela e colhidos manualmente dez colmos seguidos por parcela seguindo o método usual. Os colmos serão pesados obtendo-se o peso médio por colmo. Com este dado será estimada a produtividade em t/ha (TCH).

Os dados obtidos nos diferentes tratamentos serão submetidos à análise de variância pelo teste F, as médias serão separadas pelo teste de Tukey ao nível de 5% de probabilidade e, a eficácia por H&T.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *